Brasil: O povo indígena Ka’apor precisa da nossa ajuda

Indígenas Ka'apor - crianças, mulheres e homens - dão-se as mãos e fazem uma roda na floresta tropical Grupo de guardiões da floresta durante uma cerimônia (© Poema/Johann Graf) Retrato do líder indígena Sarapo Ka'apor com cocar Os indígenas Ka’apor temem que o seu líder, Sarapo Kaapor, tenha sido envenenado. (© Andrew Johnson) Pessoas da etnia Ka’apor em fila dupla diante de duas cabanas na floresta Nas aldeias, os Ka’apor conservaram seu modo de vida tradicional. (© Poema/Johann Graf) TI Alto Turiaçu: território dos Ka’apor - Imagem de satélite do noroeste do estado brasileiro do Maranhão Imagem de satélite do noroeste do Maranhão: À esquerda, o TI Alto Turiaçu dos Ka’apor cercado quase completamente por áreas desmatadas. À direita: o Oceano Atlântico e a capital maranhense, São Luís. (© Google Maps) Macaco-caiarara subindo em um galho O criticamente ameaçado macaco caiarara tem na floresta dos Kaapor o último habitat que lhe sobrou (© CC BY-SA 4.0) Dois cartazes com a inscrição Sarapo vive e a marcha pelo bem conviver na floresta Dois cartazes do Conselho dos Ka’apor, TUXA TA PAME (© TUXA TA PAME)

Os indígenas Ka’apor estão se dirigindo à opinião pública mundial porque suas terras - a TI Alto Turiaçu - estão sendo saqueadas por derrubadores, especuladores imobiliários e garimpeiros. Quem se opõe, é ameaçado, atacado ou até mesmo, até assassinado. Eles exigem que as autoridades tomem providências. Por favor, assine nossa petição!

Notícias e Atualidades Apelo

Para: Governo Federal, Ministério da Justiça, Ministério Público Federal, Governo do Estado do Maranhão, Ministério Público do Estado do Maranhão, Secretaria Estadual de Segurança Pública

“As autoridades brasileiras precisam cumprir a Constituição e proteger o povo Ka’apor de perseguição e violência, bem como suas matas nativas de derrubadas.”

Abrir a petição

Em 14 de maio de 2022 morreu a liderança indígena Sarapo Kaapor. Conforme informações dos Ka’apor, todos os testemunhos já colhidos indicariam que ele teria sido envenenado por moradores de aldeias situadas fora da Terra Indígena (TI). Eles estão exigindo das autoridades a exumação corpo de Ka’apor, para que médicos legistas possam esclarecer as circunstâncias exatas de sua morte.

Sarapo era a principal liderança na proteção das florestas da região e estava à frente da oposição contra a mineração. Por isso, ele foi perseguido e ameaçado. Isto não é nenhum caso isolado: De 2010 para cá, duas aldeias foram assaltadas por derrubadores, 60 pessoas foram atacadas e 18 indígenas foram assassinados.

Madeireiras, mineradoras, pecuaristas, latifundiários e especuladores imobiliários já desmataram a floresta praticamente por completo, ou seja, até a última borda da Terra Indígena Alto Turiaçú - de 531 mil hectares - e agora, não respeitam mais sequer os seus limites demarcados. Contudo, o território que hoje abriga os Kaapor não é senão o mero resto de um território muito maior, o qual já foi lhes roubado em décadas passadas.

Desmatadores derrubam árvores tropicais como o ipê, a maçaranduba e o cedro para exportação e produção de mobiliário de jardim, piso e terraços de madeira. Mineradores lograram obter do Estado a concessão de milhares de hectares para a exploração do ouro.

A violência e a destruição da natureza acontecem diante dos olhos dos funcionários públicos e das autoridades brasileiras, as quais são, em grande parte, inertes, na medida em que ignoram as queixas e reivindicações dos povos originários do Brasil. Ademais, muitos funcionários públicos e políticos são corruptos e envolvidos nessas atividades.

O Conselho dos Ka’apor, TUXA TA PAME, está pedindo a nossa ajuda.

Por favor, exija das autoridades brasileiras o esclarecimento de todos os ataques e assassinatos, de modo que os criminosos sejam levados aos tribunais, garantindo-se a segurança dos Ka’apor e de seu território.

Começo da petição: 02/06/2022

Mais informações Carta

Para: Governo Federal, Ministério da Justiça, Ministério Público Federal, Governo do Estado do Maranhão, Ministério Público do Estado do Maranhão, Secretaria Estadual de Segurança Pública

Excelentíssimas Senhoras e Senhores,

Estamos consternados com a violência que vem sendo cometida contra os Kaapor, bem como ao território por eles tradicionalmente ocupado - a Terra Indígena (TI) Alto Turiaçu, no estado do Maranhāo.

Desde 2013, já são mais de 60 pessoas atacadas, duas aldeias foram assaltadas e desde 2010, foram assassinadas 18 pessoas.

No dia 14 de maio de 2022, a liderança indígena Sarapo Kaapor morreu subitamente, em circunstâncias não esclarecidas. Os indígenas receiam que ele possa ter sido envenenado pelo fato de ser uma das principais lideranças na defesa do território.

As pessoas lá são ameaçadas, perseguidas e assassinadas somente por defenderem seu território- a Terra Indígena Alto Turiaçu, de 531 mil hectares - e seus recursos contra invasores ilegais. Neste grupo encontram-se derrubadores, garimpeiros, mineradoras, especuladores imobiliários, pecuaristas, latifundiários e empresas agrárias.

A TI Alto Turiaçu alberga o último remanescente da Amazônia no estado do Maranhão. Sua proteção e conservação é imprescindível para a sobrevivência dos Kaapor e sua cultura, bem como da extraordinária biodiversidade.

Nós apoiamos as exigências do Conselho Indígena dos Kaapor, TUXA TA PAME - feitas ao Governo e autoridades federais e estaduais - que reivindica a imediata tomada das seguintes providências urgentes no sentido de proteger as pessoas, seu território e seus direitos:

- a exumação do corpo de Sarapo Kaapor e a exata investigação da causa de sua morte. Se for concluído que sua morte foi causada por terceiro, é necessário que o(s) criminoso(s) sejam apurados e levados aos tribunais.
- O esclarecimento dos outros ataques e assassinatos mencionados acima, inclusive a apuração da autoria e instauração de processo judicial.
- A proteção dos moradores e das TI Alto Turiaçu contra qualquer forma de violência, perseguição, ameaças e de invasores ilegais, bem contra o saqueamento de seus recursos.
- O reconhecimento da TI Alto Turiaçu como município, de sorte que este possa ter o suporte de medidas públicas pertinentes à saúde pública, educação e assistência técnica.

Ficamos no aguardo de uma resposta escrita breve a respeito das medidas que V. Exas. pretendem tomar.

Saudações cordiais

Notícias e Atualidades

Parece que a pressão popular já está mostrando seus primeiros resultados. O Conselho Indígena Ka’apor - TUXA TA PAME - nos informou que, no dia 11 de junho de 2022, tal como eles tinham reivindicado, o corpo de Sarapo Ka’apor foi exumado. A medida foi executada por uma equipe médica vinda da capital maranhense, São Luís.

O próximo passo, agora, é que os médicos legistas façam a autópsia com o fim de investigar as causas e constatar as causas e circunstâncias de sua morte.

Enquanto isso, os Ka’apor estão preparando uma série de ações para os próximos dias. De 13 a 15 de junho, eles realizam a “Marcha pelo Bem-Conviver na Floresta” e por “Territórios Livres de Agressão”.

Eles estão reivindicando das autoridades brasileiras que seja garantida a segurança dos habitantes da floresta de abusos, bem como a proteção da Terra Indígena Alto Turiaçú, que já é reconhecida legalmente.

 

notícia · 10 de abr. de 2024

Brasil: Após dois anos, morte da liderança indígena Sarapó Ka’apor continua sem resposta

Sarapo vive

Morto em condições estanhas em 2022 após comer dois peixes doados por um vizinho, o líder indígena Sarapó Ka’apor foi enterrado sem que seu corpo tivesse passado por necropsia. O estado, de formas sucessivas, omitiu-se em diversos momentos da morte da liderança. Reportagem mostra que nenhuma investigação foi conclusiva até agora.

LEIA MAIS

Brasil · 20 de fev. de 2024

O povo Ka'apor está reclamando de abusos de negociantes de créditos de carbono em sua floresta

O povo Ka'apor está pedindo que o Ministério Público Federal tire a firma americana “Wildlife Works” de seu território no estado do Maranhão. Já há meses que os indígenas estão se queixando de que as atividades da firma em seu território são indesejadas e estopim para conflitos. Eles pedem que os negociantes de títulos de carbono parem de exercer toda e qualquer atividade em seu território.

LEIA MAIS

notícia · 23 de jan. de 2024

Brasil: Famílias Ka'apor são atacadas de madrugada em área de proteção

Famílias Ka'apor acampadas na área de proteção Murutyrenda, no Território Indígena Alto Turiaçu, município de Centro do Guilherme, Maranhão, foram surpreendidas na madrugada do dia 22/01 com gritos de não indígenas ordenando que saíssem da área. Os invasores levaram cachorros para atacar os Ka'apor

LEIA MAIS

notícia · 13 de dez. de 2023

Brasil: Empresa americana causa conflito entre indígenas Ka’apor para implantar projeto de crédito de carbono

Empresa norte-americana pretende fazer negócios no território do povo indígena Ka'apor. Eles querem gerar créditos de CO2 e vendê-los a empresas poluidoras. Nossos parceiros do Conselho de Gestão Ka'apor se opõem à mercantilização da natureza, e denunciam que a presença da empresa no território já está causando sérios conflitos

LEIA MAIS

Atualidades · 16 de set. de 2023

Quem resiste, é assassinado: Indígenas e ambientalistas ameaçados

Nosso consumo de matérias primas agrícolas, metais, minerais e madeira tem conseqüências graves para as pessoas no Sul Global: 177 pessoas, no mínimo, foram assassinadas em 2022 somente por terem se engajado na luta por seus direitos à terra e pela conservação da natureza. Mais de 1/3 dessas vítimas era indígena, dentre eles, o nosso parceiro no Brasil, Sarapo Kaapor.

LEIA MAIS

êxito · 1 de jun. de 2023

Os indígenas Kaapor são os melhores protetores da floresta tropical do Brasil

Nos últimos dez anos, as derrubadas na floresta tropical brasileira vêm aumentando, e também os territórios de povos indígenas foram afetados, ainda que em escala bem menor. Só os indígenas Kaapor, que são parceiros da nossa associação, conseguiram destacar-se contrariamente a essa tendência geral, tendo defendido exitosamente sua floresta.

LEIA MAIS

êxito · 30 de jan. de 2023

Brasil: Petição de “Salve a Floresta” leva à abertura de inquérito policial federal

Nossa petição “Brasil: O povo indígena Kaapor precisa da nossa ajuda” levou à abertura de inquérito policial federal para esclarecer a morte do líder indígena Sarapo Kaapor, bem como identificar os possíveis autores. Os povos originários reclamam que seu líder teria sido envenenado por lutar contra a exploração da floresta por madeireiros, pecuaristas, agroindústrias e mineradoras.

LEIA MAIS

notícia · 15 de nov. de 2022

Bolsonaro perde a eleição: Estaria agora a Amazônia salva?

Lula vai ser presidente do Brasil de novo; o atual presidente no cargo, Jair Bolsonaro, não conseguiu se reeleger. Nós perguntamos às nossas organizações parceiras no Brasil sobre o significado disso para elas, seu trabalho, para os povos originário e para a floresta.

LEIA MAIS

Esta petição está disponível, ainda, nas seguintes línguas:

79.400 participantes

Ajude-nos a atingir 100.000:

Atividades recentes

Inscreva-se aqui agora para receber a nossa newsletter.

Continue informado e alerta para proteger a floresta tropical, continuando a receber a nossa newsletter!